terça-feira, 31 de maio de 2011

Eleições 5 de Junho - já votei, foi assim:

Boas tardes,
Ora aí estão à porta as eleições legislativas. Se há coisa que me irrita é a atitude indiferente da maior parte da população em relação às eleições, revelada em taxas de abstenção de mais de 60%. Considero uma atitude deste tipo uma enorme falta de respeito para com aqueles que ainda há poucas décadas sofreram e morreram para que hoje tenhamos este direito básico da vida em sociedade. Obviamente que tenho estado fisicamente impedido de votar nas eleições dos últimos anos, por isso desta vez decidi recensear-me no consulado de Manchester com a devida antecedência.

Também cá no Reino Unido estamos recenseados para votar nas eleições locais, o que fazemos sempre. Como trabalhamos a tempo inteiro aquando do recenseamento optamos pelo voto por correspondência e desde então nunca falhamos um acto eleitoral. Eis como se processa: Com algumas semanas de antecedência recebemos um envelope com tudo o que é necessário para votar, ou seja, um boletim de voto e um envelope que se coloca dentro de um segundo envelope com franquia pré-paga. Resumindo, consigo votar em dois minutos e meter o envelope no marco do correio sem gastar um tostão. Se por acaso me atrasar e deixar para o último dia posso passar numa das assembleias de voto no dia das eleições e deixar lá o meu boletim de voto.

Continuando o primeiro paragrafo, lá tratamos do recenseamento no consulado de Manchester com a devida antecedência necessária de 60 dias e onde ficamos a saber que a votação iria ser efectuada por correspondência. Recentemente lá fiquei todo excitado quando recebi por correio todo o material necessário para votar!
Tinha uma ideia em quem votar e por isso quis tratar logo de tudo. Assim a acompanhar o boletim de voto tinha a necessária folha de instruções que seria só seguir:

1) No boletim de voto marque com uma cruz o quadrado da força politica que escolheu - "fácil"

2) Dobre o boletim de voto em quatro e introduza-o no sobrescrito verde - "fácil"

3) ...pegue no sobrescrito branco - onde já está impresso o seu nome, morada, consulado e país e preencha o espaço destinado ao seu nr de eleitor .... - "Que raio, se sabem todos os outros detalhes certamente que poderiam ter metido também o meu número de eleitor! Deixa-me ler o resto e depois vou à capa dos documentos procurar o número de leitor"

4) ... Introduza, também, dentro do sobrescrito branco uma fotocópia do seu cartão de leitor, se o tiver ou certidão comprovativa da inscrição no recenseamento eleitoral... - "Sim, vou já ter uma fotocopiadora em casa... já vi que já não consigo votar hoje.. Tenho que procurar essa papelada e ainda ir ao post-office tirar uma fotocópia.

5) Está tudo pronto para seguir para o correio. Mas, antes disso, não se esqueça de pôr selos de correio necessários e, se possível, registe. - "#%"&"?* ... é isto que é o simplex?? "

mais abaixo diz:

Tenha atenção que o seu voto será considerado válido se, além das condições atrás referidas, a correspondência respeitar os seguintes requisitos:
- Ter saído do país de origem o mais tardar no dia da eleição (5 de Junho)
- Ter chegado ao centro de apuramento em Lisboa, até o mais tardar, no dia 15 de Junho.

"Ganhaste Sócrates, fica com o c@ra%l&; do poleiro... ah e muito obrigado pela carta que me enviaste e explicar porque deveria votar em ti"

Peguei na papelada e zás direitinho no lixo.. aliás na reciclagem. "Votação feita", dever cumprido.
---------------------------------------------------------------
Fiquei perfeitamente revoltado... Sei que esta atitude contradiz tudo o que disse acima, mas sinceramente, quatro anos depois de ter mudado para um país civilizado já não tenho paciência para isto. A gota de água foi o facto de ser absolutamente aceitável que o meu voto chegue a 15 de Junho!! Se calhar vai ser nessa data que vão verificar as cartas que receberem. Certamente não vão ficar às espera dessa contagem para anunciar o novo primeiro ministro e tão pouco vão mostrar nos noticiários qual a votação dos emigrantes uns 10 dias depois do acto eleitoral.

Gostaria também de saber qual a necessidade de enviar cartas registadas para Lisboa quando temos consulados por toda a Europa que poderiam comunicar os resultados tão rapidamente como qualquer assembleia de voto no dia das eleições.

Aceito comentários que digam que já que estou emigrado nem direito ao voto deveria ter. Se calhar também outrora me questionei sobre isso, mas a verdade é que agora vejo os emigrantes como pessoas tão interessadas ou provavelmente mais ainda com os destinos do nosso Portugal. Além disso numa balança económica tão fraca como a nossa, com exportações muito atrás das importações, é preponderante o dinheiro que entra em Portugal fruto das remessas dos emigrantes.. E com esta vaga de emigração cada vez mais o será.

3 comentários:

  1. :O

    Eu estava aqui todo combalido porque não ia votar por não estar há tempo suficiente no UK para me registar no consulado e agora leio este post até fiquei de boca aberta!

    E pensar que há tanta gente que nem se dá ao trabalho de votar... Enfim...

    ResponderEliminar
  2. Nem mais - mas eu fiz mesmo questão de votar (e pagar por isso!). Vou partilhar na Eurinteg.

    ResponderEliminar
  3. bem , e por estas e por outras que realmente votar da uma dor de cabeca...excelente post Eugenio :)

    ResponderEliminar